FUTURO DOWN

futuroAo nascer minha filha com  síndrome de down, acredito que não só eu mas, com todos que tem um filho ou filha especial, são tomados por um medo.

Um medo que vem do novo, uma angustia e receio, que não iremos ter capacidade para lidar com tal situação ou mesmo competência ou habilidade para tocarmos a vida em frente.

Mas temos de entrar em ação e com o tempo o medo se transforma em luta.

E os nossos filhos especias, passam a nos ensinar que temos de vencer esse obstáculo, pois eles apesar da sua condição já venceram ao nascer.

Com o passar do tempo, vamos desbravando esse novo e o medo com a luta, vai embora.

Mas o medo, a preocupação faz parte da vida de qualquer pai ou mãe de filho especial ou não.

Ser preocupado, 100% do dia com seus filhos faz parte da rotina de todos os pais.

Podemos chamar de super protetor, coruja, seja o que for, mas nossos pais e mães somos assim, cada um a sua maneira.

Mas tem um tempo que não conseguimos conhecer e nos traz mais preocupações que é o Futuro!

Como será daqui a 5, 10, 20 anos a vida dos nossos filhos e filhas com down.

Como será a vida das nossas crianças especiais.

O Futuro já prende a todos, com suas dúvidas e incertezas, quando em condições “comuns” imagine então como será em condições especias.

Em termos técnicos, aconselham a ter sempre um irmão para quem tem um filho com down, para que esse seja o guaridão dele.

Mas nada como a informação, passei a acompanhar séries de TV, e filmes que trazem a vida de jovens com down, seus desafios e sua superação.

E a felicidade dos pais com a superação em se casarem, morarem sozinhos terem sua vida própria independentes.

A evolução nos tratamentos, as descobertas e principalmente o respeito da sociedade nos traz um paz.

Agora temos de trabalhar desde cedo para que eles sejam independentes, que tenham a sua vida.

Descobrindo tudo isso traz uma alegria enorme, e imaginar ela morando sozinha ou casada me traz os sentimentos de qualquer pai.

E acabo descobrindo que não é ela que é dependente de mim e sim eu que sou dependente dela!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *